Atividade Física


Dança emagrece, diverte e espanta os males

Atividade pode ser uma opção para quem quer mudar de atividade física...


Dança emagrece, diverte e espanta os males

Não se identifica com nenhuma atividade física? Já experimentou dançar? Além de movimentar todas as partes do corpo, a dança promove a queima de calorias e ajuda a emagrecer. E não é só isso! Deixa os músculos mais flexíveis, melhora a coordenação motora e a capacidade cardiorrespiratória.

Na dança, o praticante indiretamente realiza diversas atividades: pula, corre, salta, puxa, empurra, tudo o que normalmente se faz em outros tipos de exercícios. Não existe monotonia na dança, já que as modalidades são inúmeras. Só para ter um exemplo da diversidade: balé clássico, zumba, dança de salão, sapateado, jazz, dança do ventre, funk, samba, entre outras.

 

Veja também:

Aprenda a tirar melhor proveito da prática de atividade física

Dançar substitui ir a academia?

Mexendo o corpo contra a osteoporose

 

A dança também aprimora o equilibrio e a postura, o que é uma ajuda e tanto nas atividades diárias. E é indicada para todas as faixas etárias. Crianças, adultos, idosos e também portadores de necessidades especiais.

A saúde mental também se beneficia, já que a dança afasta a depressão, ajuda no processo de socialização e relaxa dos estresses diários.

 

Dança de salão trabalha todas as partes do corpo, queima calorias e manda a depressão para longe

Anda desestimulado com a atividade física e sem ânimo para se exercitar sozinho? Que tal promover uma revolução na vida se matriculando numa aula de dança de salão. Quer melhor maneira de conhecer gente nova e ainda esculpir os músculos? Não faltam opções dentro da modalidade: forró, samba, rock, sertanejo. Quem nunca experimentou a modalidade nem imagina que todos esses ritmos podem ser dançados em companhia de um parceiro.

E que dessa forma também trabalhar todas as partes do corpo. Dança de salão é muito eficiente na queima de calorias. Isso porque é necessário equilibrar a força pessoal com a do parceiro. É também uma ótima maneira de combater solidão, tristeza e depressão. Quem tem o hábito de dançar acaba conhecendo muito gente, fazendo amigos e até descobrindo o amor. Por isso a atividade é muito procurada por quem está solteiro ou em busca
de uma nova companhia.

Antes de optar por um estilo musical, pense naquele que mais gosta e mais combina com você. Ou então se aventure em experimentar novos estilos. Forró, por exemplo, é uma das danças mais fácies de aprender, indicada para iniciantes, assim como o a música sertaneja. Já o samba exige do corpo mais agilidade e o rock, mais coordenação motora.

Você pode se matricular numa academia e lá ser apresentado a um parceiro ou escolher um parceiro para dar os primeiros passos. O importante é começar.

Conhecida também como dança de roda, promove socialização e equilíbrio do corpo

Criada pelo bailarino e coreógrafo Bernhard Wosien, a dança circular sagrada pretende ser uma dança capaz de estimular o respeito ao próximo, a autoestima pessoal e pelo outro (por isso, sagrada), visto que a dança é realizada em grupo. É um modelo de dança de roda que reúne diversos tipos de danças tradicionais ou folclóricas de várias partes do mundo.

Informações relatadas pelo site “Danças Circulares -RJ” revelam os benefícios do movimento, que além de proporcionar efeitos positivos a autovalorização, como leveza, alegria, beleza, serenidade e o bem-estar, promovem o trabalho em grupo, sem que a pessoa perca a sua individualidade; mostra a diferença entre as pessoas; desenvolve o apoio mútuo, a integração, a comunhão e a cooperação; são instrumentos suaves de autoconhecimento e auto cura; harmoniza o grupo antes e depois de praticar suas tarefas cotidianas; traz musicalidade e ritmo para a vida diária;
equilibra o corpo físico, mental, emocional e espiritual; amplia a percepção, a concentração e a atenção; encoraja as pessoas a ocuparem o seu lugar e o seu espaço; ajuda a combater o estresse e a depressão, além de trazer flexibilidade e autoconfiança para a vida.

 

Balé clássico para adultos iniciantes

Se você quis fazer balé clássico em criança e não teve oportunidade, nunca é tarde para começar. Hoje existem nas academias de dança muitas turmas dedicadas a adultos que nunca dançaram. A atividade, além de prazerosa, trabalha todos os músculos do corpo, como também o equilíbrio e a coordenação motora. Claro que as aulas nesta fase não visam profissionalização como bailarino. O foco é mesmo a atividade física, que proporciona
definição muscular, condicionamento, força e melhora na postura. O exercício é também ótimo para quem está precisando emagrecer e mais mobilidade para realizar as atividades diárias.

O balé clássico também promove muita flexibilidade ao corpo. Para tarefas simples como amarrar os cadarços dos sapatos, a atividade devolve qualidade a essas funções simples que vão se deteriorando com o passar dos anos. A mente também é beneficiada. A sequência de passos do balé e sua execução exigem muita atenção e concentração, o que ajuda a exercitar a mente. Não só as mulheres, como os homens, estão buscando o balé na
idade adulta. Isso porque descobriram que a atividade tonifica a musculatura, sem atrofiá-la. Bem verdade que os alunos do sexo masculino ainda são em menor número do que as mulheres.

Iniciantes não precisam se preocupar com as dificuldades que irão encontrar, já que essas aulas são pensadas justamente para esse público específico. Os professores são treinados para entender e respeitar os limites individuais de cada um. Inclusive, muitas academias oferecem aulas experimentais para os iniciantes tomarem o primeiro contato com a prática. Dançar na cadeira de rodas exercita o corpo e a auto-estima.

O fato de estar numa cadeira de rodas não é motivo para o portador de necessidades especiais se manter inativo. A dança é uma excelente opção para o cadeirante. Além de praticar um exercício, o cadeirante terá na dança uma forma de expressão, o que ajudará sua inserção e fortalecerá sua autoestima.

Dançar em uma cadeira de rodas trará inúmeros benefícios físicos para o cadeirante: melhora da resistência, da flexibilidade, maior consciência corporal e definição do tônus muscular. Por ser uma atividade realizada em grupo, a dança estimula a comunicação e o convívio social não só com outros cadeirantes, mas também com “andantes”.

A dança para os que fazem uso de cadeira de rodas não têm contraindicação e pode ser praticada por pessoas de todas as idades.




Clique aqui e veja todas as matérias

Veja Mais...








Clique aqui e veja todas as matérias

Confira também nossos guias


Ícone
Ícone
Ícone
Ícone
Ícone
Ícone