Atividade Física


O que é uma pessoa sedentária?

Apesar dos incentivos para que a população brasileira busque saúde e bem-estar através da prática regular de atividade física, o Ministério da Saúde estima que apenas 16,4% se exercitam da forma indicada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).


O que é uma pessoa sedentária?

Para não ser considerada sedentária, uma pessoa precisa realizar 30 minutos ou mais de atividade física, de forma leve ou moderada, cinco ou mais vezes por semana; ou 20 minutos ou mais de atividades físicas intensas ou vigorosas pelo menos três dias ou mais por semana.

 

Veja também:

Pessoas de 60 anos fisicamente ativas tem capacidades físicas de jovem de 20 anos ou menos

Comecei a academia, mas ainda não vi resultados. Por que será?

Exercício é vida!

 

Ainda assim o sedentarismo vem diminuindo. As últimas pesquisas revelam que o número de inativos caiu de 29,2% para 26,3%.
Quem não gosta de frequentar academias e mora em cidades litorâneas, já existem grupos de treinamento nas praias, sempre nas primeiras horas do dia ou à noite. Vão da ginástica na orla a grupos de corrida. Muitos deles são gratuitos.

Quem não mora perto de praia, pode se exercitar nas academias instaladas em praças, caminhar, subir escadas ou até realizar o treino em casa. O mais importante é não ficar parado.

 

Segundo pesquisa europeia, sedentarismo mata mais que obesidade

Na atividade física pode estar à chave para a vida longa. É o que indica uma pesquisa realizada pela Universidade de Cambridge e publicada na revista “American Journal of Clinical Nutrition”. Segundo o estudo, o sedentarismo causaria quase o dobro de mortes do que a obesidade. Participaram do estudo mais de 300 mil pessoas, que foram acompanhadas ao longo de 12 anos.

Segundo estimativa dos autores da pesquisa, cerca de 676 mil mortes por ano ocorreram em consequência da inatividade ou sedentarismo. E não é difícil prevenir o risco de morte segundo os cientistas. Uma caminhada diária de apenas 20 minutos bastaria.

Magros e sedentários também correm risco, já que sofrem problemas de saúde pela falta de condicionamento físico. Tanto é que, obesos que se exercitam estão em melhor condição física do que magros que não praticam atividade física, segundo atestam especialistas.

O estudo acompanhou mais precisamente 334.161 europeus durante 12 anos. Foram avaliados níveis de exercício praticados pelos participantes, medidas de suas cinturas, além dos registros de morte. Dentro deste grupo o maior risco ficou por conta dos sedentários. Tanto em pessoas com peso normal, como com sobrepeso e obesos.

A conclusão dos autores é que o combate ao sedentarismo entre os europeus diminuiria a taxa de mortalidade em cerca de 7,5%. Se o foco das políticas públicas se concentrasse apenas na obesidade, a redução da taxa de mortalidade seria de apenas 3,6%.

 

Passar maior parte do dia sentado anula efeito da atividade física

Você pratica exercícios regularmente, mas passa a maior parte do dia em estado sedentário? Sentado à sua mesa de trabalho a maior parte do tempo? Se isso acontece, saiba que os exercícios não anulam os riscos de comprometimento à sua saúde, embora amenizem os impactos.

Pesquisadores da Universidade de Toronto, no Canadá, realizaram um estudo sobre o tema, sugerindo que os riscos são menores quanto maior for a atividade física, mas admitem que precisam estudar melhor o assunto e concluir quanto tempo é necessário para que uma atividade física anule os riscos de quem passa o resto do dia em estado de sedentarismo.

Uma boa alternativa é registrar quanto tempo passamos sentados diariamente. Os condutores da pesquisa acreditam que isso ajudará a provocar mudanças de comportamento, permitindo a criação de hábitos que acrescentem mais movimento ao nosso dia-a-dia.

Aquela tradicional recomendação dos especialistas em saúde, por exemplo, que prega que devemos nos levantar a cada meia hora, nem que seja para tomar um copo de água, ir ao banheiro ou dar uma volta no corredor do prédio onde trabalhamos. Em casa podemos substituir o controle remoto pelas pernas e aproveitar os comerciais de televisão para dar uma pausa na poltrona quando o programa for muito longo.

Segundo os cientistas da Universidade de Toronto, passar oito horas sentado aumente em 90% o risco de diabetes, 18% o risco de doença cardiovascular ou câncer e em 24% o risco de morte por questões de saúde.

 

Levantamento aponta que 45,9% da população brasileira ainda é sedentária

Uma sondagem sobre esportes e atividades físicas – a pesquisa Diagnóstico Nacional do Esporte (DIESPORTE), realizada pelo Ministério do Esporte com apoio do Sesc mostrou que que 45,9% da população brasileira é considerada sedentária. Para a Organização Mundial da Saúde, o indivíduo ativo regular é aquele que pratica alguma atividade física, ao menos três vezes por semana, com duração mínima de 30 minutos. Já o sedentário é aquele que não faz atividade física ou esporte. Desdobrando os números de acordo com o gênero, há um contingente maior de sedentários entre as mulheres (50,4% dos entrevistados) do que entre homens (41,2%).

Os sedentários são menos numerosos entre os mais jovens. Com o passar dos anos, o número aumenta significativamente: sedentários entre 15 e 16 anos totalizam 32% enquanto que entre 54 e 74 anos a incidência é de 64%. A falta de tempo por motivos de estudo, trabalho ou família foi apontada por 69,8% dos brasileiros como a razão pela qual abandonaram a prática de esportes ou de atividades físicas.

Com relação aos indivíduos ativos, a pesquisa aponta que 25,6% são praticantes de esporte, enquanto 28,5% são adeptos da atividade física regular.

Analisados por gênero este grupo, 35,9% dos homens praticam esportes, enquanto que 34% preferem atividades físicas. Dentre os primeiros esportes praticados pelos brasileiros, segundo a pesquisa, como esperado, o futebol é o preferido por 59,8% dos brasileiros, seguido do vôlei com 9,7%, natação 4,9% e o futsal com 3,3%.

A tabulação da pesquisa feita por regiões do país indica que Sudeste é a região que concentra o maior número de sedentários, com 54,4%. Em seguida vem a região Centro-Oeste com 45,1%, Nordeste com 38,5%, Sul com 39,3% e por fim a região Norte, com 37,4%.




Clique aqui e veja todas as matérias

Veja Mais...








Clique aqui e veja todas as matérias

Confira também nossos guias


Ícone
Ícone
Ícone
Ícone
Ícone
Ícone