Colunistas



Planejamento no Esporte


Para respeitar a importância de planejar seu ano esportivo, é preciso entender um pouco das vantagens e desvantagens de um ano planejado ou, traduzindo para o jargão esportivo, um ano periodizado.


<Planejamento no Esporte

Salve, salve, amigos amantes do esporte! Tudo bem com vocês?

Já dizia a velha máxima: “a maioria das pessoas não planeja fracassar, fracassa por não planejar”
E essa é a palavrinha mágica do nosso bate papo-papo de hoje: PLANEJAMENTO NO ESPORTE.
E aí, você tem o seu? Você consegue planejar seu ano de competição e tenta seguí-lo ao longo dos meses respeitando o que foi planejado? Você traça metas esportivas e tem paciência para dar um passo de cada vez?

Se sua resposta foi sim para essas perguntas, parabéns! Você integra um grupo seleto de atletas que consegue entender que, sem planejamento, no esporte como na vida, o caminho fica muito mais difícil.

Tive um professor que sempre acrescentava àquele velho conceito de que uma longa jornada começa com um primeiro passo. E ele dizia “na direção correta”. E ele tem toda razão. Se você começar essa longa jornada na direção errada, seu caminho crescerá a cada passo.

Para respeitar a importância de planejar seu ano esportivo, é preciso entender um pouco das vantagens e desvantagens de um ano planejado ou, traduzindo para o jargão esportivo, um ano periodizado.
E você sabe o que é uma periodização?
Por conceito, periodizar é oferecer dentro de um sistema de organização, estímulos diferentes em microciclos e mesociclos, entendendo que o microciclo é a menor unidade do processo de periodização (varia de 1 a 4 semanas) e o mesociclo um pouco mais extenso, variando de 2 a 6 semanas.

A periodização tem os seguintes objetivos:

a. Progredir as cargas de volume/intensidade respeitando a individualidade de cada um
Se você é corredor, sua primeira prova do ano não pode ser a maratona que você tanto almeja. Um bom planejamento contará com participações em algumas provas de 10Km e pelo menos uma meia maratona antes do grande dia. Essas provas devem ser elencadas e inseridas dentro de um calendário em uma periodização detalhada.

b. Controlar a quantidade de participações em eventos esportivos
Quem não planeja, muitas vezes se assusta com a quantidade de provas que acaba realizando em um ano. Se inscrever em provas que seus amigos estão inscritos pode ser uma grande armadilha. Portanto, comece o ano sabendo mais ou menos quantas provas você quer fazer e, obviamente, bem distribuídas ao longo do ano, evitando sobrecarga e respeitando o descanso entre as mesmas.

c. Deixar o atleta no auge na competição alvo
Esse é um erro muito comum de quem não periodiza o seu ano. Se a sua prova alvo é uma maratona em junho, aquela prova de abril, pro exemplo, será realizada sob uma semana de treinamento normal. O objetivo não será correr bem essa prova e sim, chegar no que chamamos de “peak” esportivo exatamente na sua prova alvo. Sem periodizar, sua preparação ficará perdida em meio a tantos eventos e, arrisco dizer, você não andará bem em nenhuma delas. Portanto, estrelinha nas provas que você quiser estar no auge e os demais eventos serão apenas controles nessa caminhada.

d. Evitar lesões e respeitar o descanso
Essa talvez seja a parte mais importante de um ano periodizado. Ao respeitar uma limitação natural de peaks ao longo do ano, uma quilometragem dentro de suas capacidades, e principalmente, progredindo os esforços de maneira gradativa, trarão ao atleta uma vida muito mais saudável e longeva. Ao conversar com atletas que passam longas temporadas sem lesões graves, é fato observar que todos eles evitam as aventuras de última hora, seguem suas metas estipuladas e respeitam seus limites, sejam eles impostos por eles mesmos, sejam eles orientados por um profissional de educação física.

Assim, progredir as cargas de volume e intensidade, controlar a quantidade de participações, deixar o atleta no auge na competição alvo e, como consequência de todos eles, evitar lesões e respeitar o descanso, são apenas alguns dos benefícios de um planejamento, ou agora que vocês já conhecem essa palavrinha, de uma periodização bem feita.

O fim do ano se aproxima, as provas já chegam ao final (falta a turma da São Silvestre, sei disso!) e convido-os a sentarem com seus treinadores, professores, ou façam vocês mesmos esse estudo e coloquem o ano de 2019 no papel. Tracem suas metas, lancem seus desafios individuais e entendam que somente com uma boa periodização vocês chegarão até eles.

Sucesso nesse novo exercício, um ótimo fim de ano a todos e nos vemos em 2019!

Bons treinos e boas provas!!!


Veja Mais...






Conheça todos os nossos colunistas



Dra. Paola Pomerantzeff Dra. Paola Pomerantzeff

Dermatologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD).






Dra. Aline Lamaita Dra. Aline Lamaita

Cirurgiã Vascular, Angiologista e membro da Sociedade Brasileira de
Angiologia e Cirurgia Vascular






Lucas Portilho Lucas Portilho

Mestre em Ciências Médicas pela Unicamp.






Dra. Kédima Nassif Dra. Kédima Nassif

Dermatologista e Tricologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica e da Associação Brasileira de Restauração Capilar.






Carlos Lopes Carlos Lopes

Dr Carlos Lopes, 50 anos, médico-ortopedista, especialista em ortopedia do esporte. Ex-atleta de natação, atual praticante amador de corrida, bike e funcional. Mas muito disciplinado. Instagram: drcarloslopesortopedista, site: www.drcarloslopes.com.br






Gustavo Slaib Gustavo Slaib

Gustavo Slaib, triatleta profissional e empresário, promete trazer dicas para quem quer começar a pedalar, nadar, correr ou fazer os três juntos!






Juliana Bravo Guerrero Juliana Bravo Guerrero

Juliana Guerrero, 32 anos, nutricionista, especialista em fisiologia do exercício e nutrição funcional. Informação baseada em ciência, sem modismos. Acredita que é possível ser saudável e comer com prazer!






Miu Paltronieri Miu Paltronieri

Miu Paltronieri, especialista em atividade física na gravidez e no pós parto, 36 anos com 2 filhos que praticam comigo vários esportes como surf, calistenia, luta e Crossfit






Peter Pichnoff Peter Pichnoff

Peter Pichnoff é professor de Educação Física 34 anos, sócio em uma Assessoria Esportiva (GP Coaching , RJ) remador profissional e praticante de triathlon.






Riani Riani






Wagner Romão Wagner Romão

Wagner Romão é triatleta, Major do Exército, professor de Educação física e técnico de triathlon nível I pela CBTri. Integrou as delegações nacionais nos Jogos Olímpicos de Pequim em 2008 e Jogos Panamericanos Rio 2007 e Guadalajara 2011.






Maria Fernanda Elias Maria Fernanda Elias






Juliana Menezes Juliana Menezes

Juliana Menezes, 43 anos, fisioterapeuta especializada no Método RPG (Reeducação Postural Global), pós-graduada em Anatomia Humana e especialista em Terapia Manual pela ACNT de Sydney / Austrália. Trabalha com coluna vertebral há 19 anos.