Estilo de Vida


Alerta vermelho para China em relação ao cigarro

Estudo estima que até 2030 dois milhões de pessoas morram em consequência do fumo


Alerta vermelho para China em relação ao cigarro

O tabaco, na China, já pode ser considerado uma epidemia. Tanto é, que uma pesquisa realizada pela Universidade de Oxford, em conjunto com a Academia Chinesa de Ciências Médicas e com o Centro Chinês para Controle de Doenças, estimou que até o ano de 2030, dois milhões de pessoas morrerão anualmente na China vítimas do cigarro.

O estudo foi divulgado pela Revista Lancet e apontou que dois terços dos jovens chineses do sexo masculino começam a fumar antes dos 20 anos de idade. Metade deles morrerá em decorrência desse hábito. Felizmente, enquanto mais da metade dos homens do sexo masculino fumam, só 2,4% das mulheres na China têm esse hábito.

O que ajudaria a diminuir o risco dessas mortes, por incrível que pareça, seria aumentar o preço dos cigarros. E campanhas para convencer as pessoas a pararem de fumar ou nem começarem. Mas, a saída não é tão simples, já que apenas 10% dos fumantes chineses param de fumar por iniciativa própria. A maioria é obrigada a parar por questões de saúde.

A China é o maior consumidor de cigarros no mundo. Um em cada três cigarros fumados globalmente vem do país, que é um dos maiores produtores de tabaco. O cigarro pode causar cerca de 50 doenças diferentes, entre elas o câncer. Os órgãos mais afetados são o coração, pulmão.

Cada tragada em um cigarro são inaladas 4.700 substâncias tóxicas, entre as piores estão à nicotina, o monóxido de carbono (CO) e o alcatrão. A primeira causa dependência, problemas cardíacos e circulatórios; a segunda reduz a oxigenação sanguínea do corpo e a terceira reúne vários produtos cancerígenos como polônio, chumbo e arsênio.




Clique aqui e veja todas as matérias

Veja Mais...








Clique aqui e veja todas as matérias