Estilo de Vida


Câncer de pele em homens aumenta a cada ano e eles precisam estar mais atentos aos riscos

Além dos descuidos com a fotoproteção, homens são grupos de risco, pois também descobrem o melanoma – câncer de pele com o pior prognóstico


Câncer de pele em homens aumenta a cada ano e eles precisam estar mais atentos aos riscos

Proteger a pele da radiação ultravioleta do sol é o cuidado fundamental para manter uma pele saudável, principalmente com a chegada das estações mais quentes. Mas os homens precisam estar mais atentos a isso.

 

Veja também:

A Vitamina que vem do sol

Entenda a importância da suplementação para combater o envelhecimento e problemas da pele

9 cuidados para preservar sua pele antes, durante e depois da atividade física

 

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), são registrados cerca de 180 mil novos casos da doença por ano, sendo que a maioria destes casos ocorre em homens. “O câncer de pele é o tipo de tumor mais incidente no Brasil, correspondendo a 33% de todos os tumores malignos registrados no país.

Este tipo de câncer é definido pelo crescimento anormal e descontrolado das células que compõem a pele. Por qualquer célula do tecido poder originar a doença, existem diversos tipos de câncer de pele. Os mais frequentes são o carcinoma basocelular (CBC), responsável por 70% dos diagnósticos, e o carcinoma epidermoide (CEC), representando 25% dos casos. Apesar de ser o mais incidente, o CBC é também o menos agressivo. O caso mais grave é o de melanoma, o câncer de pele com o pior prognóstico”, explica a dermatologista Dra. Kédima Nassif, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. “O grande problema com os homens é que, além dos descuidos com a fotoproteção, eles descobrem o câncer de pele quando ele está em estágio muito avançado”, acrescenta.

Além da genética, a principal causa do câncer de pele é justamente a falta de proteção contra os perigosos raios UV. E o descuido dos homens faz com que eles figurem em primeiro lugar no ranking de mortes causadas pela doença. “Além de não utilizarem o filtro solar diariamente, os homens se expõem com mais frequência ao sol, especialmente em horários não recomendados, como entre 10h e 16h. Mesmo os homens que aplicam o protetor solar, o fazem apenas uma vez ao dia e não a cada 2 horas, como é o ideal”, afirma a dermatologista.

Segundo a médica, o diagnóstico precoce – que aumenta em muito a chance de evitar complicações com a doença – é mais difícil em homens do que em mulheres. Isso por que, nas mulheres, o lugar onde a doença mais aparece é nas pernas, enquanto nos homens aparece mais nas costas, o que torna difícil a percepção dos sinais. “É sempre importante procurar sinais de possíveis tumores. Por isso, peça para alguém de sua família procurar em suas costas por pintas muito grandes, assimétricas, com bordas irregulares, coloração diferenciada e que mudam de aparência com o tempo. Se for o caso, deve-se procurar um médico para realizar o diagnóstico. Esse check-up dermatológico é importante e deve ser feito uma vez ao ano”, destaca.

Quanto antes for diagnosticado, maiores são as chances de o tratamento ser bem-sucedido. Porém o mais importante é a prevenção. “O filtro solar é indispensável e deve ser aplicado diariamente a cada duas horas ou quando necessário, independentemente da estação do ano. Até mesmo em dias nublados o protetor se faz necessário, pois apenas 30% da radiação UV é barrada pelas nuvens. Além disso, lembre-se de sempre aplicar protetor solar na nuca, atrás das orelhas, nas costas e pés. Por fim, é fundamental que você realize consultas regulares com um dermatologista”, finaliza a médica.

Por: DRA. KÉDIMA NASSIF




Clique aqui e veja todas as matérias

Veja Mais...








Clique aqui e veja todas as matérias