Estilo de Vida


Dia Mundial da Trombose conscientiza sobre problema que é maior causa de morte evitável em hospitais

Tromboembolismo venoso (TEV) é a causa número 1 em mortes evitáveis em hospitais e 60% dos casos ocorrem durante ou após internação.


Dia Mundial da Trombose conscientiza sobre problema que é maior causa de morte evitável em hospitais

13 de Outubro é o Dia Mundial da Conscientização sobre a Trombose. A data também reforça a importância da prevenção, em hospitais, do Tromboembolismo Venoso (TEV) — causa número um em mortes hospitalares que poderiam ser evitadas, de acordo com a Sociedade Internacional de Trombose e Hemostasia. A cirurgiã vascular e angiologista Dra. Aline Lamaita, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, explica que o termo se refere à condição na qual há o desenvolvimento de um “trombo”, um coágulo sanguíneo, nas veias das pernas e coxas. “Esse coágulo causa uma inflamação na parede do vaso e é chamado de Trombose Venosa Profunda (TVP). Quando esse trombo se solta e se desloca até o pulmão, ele é chamado de Embolia Pulmonar (EP) e em muitos casos é fatal”, explica a médica. Essa situação, de acordo com a angiologista, é de alto risco para pacientes hospitalizados, que passaram por cirurgias e que estão em longos períodos de imobilidade, por conta de uma deficiência na circulação sanguínea.

 

Veja também:

Descubra os sintomas e sinais da trombose

Saiba como minimizar os riscos de trombose

11 dicas para melhorar sua circulação sanguínea

 

Alguns outros fatores aumentam o risco para o aparecimento desse quadro em pacientes clínicos e cirúrgicos: abortamento recorrente, acidente vascular cerebral, anticoncepcional hormonal, câncer, cateter venoso central, doença inflamatória intestinal, doença pulmonar obstrutiva crônica, idade maior que 55 anos, infecção, insuficiência arterial periférica, cardíaca ou respiratória, obesidade, internação em UTI, paralisia dos membros inferiores, quimioterapia, reposição hormonal, tabagismo, varizes, insuficiência venosa periférica, antecedente familiar de trombose e TEV prévio.

Mas a angiologista alerta: “É bom lembrar que esse não é um problema apenas de quem está hospitalizado. Como a panturrilha é o coração das pernas, a cada contração muscular bombeamos o sangue e ativamos a nossa circulação. Situações onde essa musculatura fica parada muito tempo podem causar uma retenção de líquido nas pernas, levando a inchaço, pernas pesadas, cansadas e aumentando a predisposição de desenvolver varizes e trombose venosa”, explica a cirurgiã vascular. Por esse motivo, para quem trabalha sentado ou fica durante muito tempo no sofá, o ideal é também introduzir alguns hábitos para ativar a circulação, como:

– Realizar exercícios movimentando os pés a cada hora de trabalho sentado;

– Levantar a cada hora e andar para movimentar um pouco as pernas;

– Para alguns casos, usar meias de compressão para conforto e melhor rendimento.

De maneira geral, segundo a angiologista, os sinais de uma trombose venosa profunda são: dor, calor, sensibilidade, inchaço e vermelhidão nas pernas. “Quanto aos sinais de uma embolia pulmonar, temos a falta inesperada de respiração, a respiração rápida, a dor no peito e a frequência cardíaca”, comenta a médica. “Sentindo qualquer um desses sinais, o médico deve ser chamado imediatamente”, finaliza a angiologista.

FONTE: Cirurgiã vascular e angiologista, Dra. Aline Lamaita




Clique aqui e veja todas as matérias

Veja Mais...








Clique aqui e veja todas as matérias